Banner Whats App - Já é Notícia
Brasil/Mundo

Publicado Sexta-Feira, 31/07/2020 18:49 | Atualizado Sexta-Feira, 31/07/2020 18:54

Por: Gaúcha Zero Hora

Observatório registra o deslocamento de mais de 600 meteoros no RS

 

Foto por: Observatorio Espacial Heller & Jung / Divulgação

Quem se dispôs a olhar para o céu na madrugada desta sexta-feira (31) para observar as quatro chuvas de meteoros que são, neste momento, atravessadas pelo planeta Terra foi premiado: 624 meteoros foram registrados pelo Observatório Espacial Heller & Jung, que tem câmeras localizadas em Porto Alegre e Taquara, na Região Metropolitana.

Os fenômenos puderam ser vistos a olho nu e o ápice foi um meteoro fireball, mais raro. Com um tempo sem nuvens, é possível observar, entre a noite desta sexta e a madrugada de sábado (1º), novos fragmentos do espaço sideral.

Um meteoro é um fragmento de cometa, asteroide ou da própria formação do sistema solar que se desloca pelo espaço sideral e que pode ser atraído pela gravidade da Terra. No geral, meteoros que queimam no céu têm menos de 1 cm, explica Carlos Fernando Jung, diretor científico da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon) e proprietário do Observatório Espacial Heller & Jung.

Já um meteoro fireball é um tipo relativamente raro: é maior e mais brilhante. À 1h25min desta sexta-feira, o observatório registrou em Taquara a queima de um durante 0,6 segundo – o fireball entrou na atmosfera terrestre a uma altitude de 92 km e se extinguiu a 82km.

As imagens mostradas nesta matéria, feitas pelo Observatório Espacial Heller & Jung, sobrepuseram vários meteoros fotografados entre 18h21min de quinta-feira (30) e 6h43min desta sexta. Não apareceram, portanto, ao mesmo tempo no céu.

O que é uma chuva de meteoros

Uma chuva de meteoros ocorre quando o planeta Terra, em sua órbita de um ano ao redor do Sol, entra em uma zona onde voam conjuntamente vários meteoroides (meteoros que ainda não entraram na atmosfera terrestre), explica Jung.

No período em que a planeta Terra se aproxima dessa "matilha" de fragmentos, a gravidade terrestre os atrai. Uma vez dentro de nossa atmosfera, esses detritos caem a uma velocidade muito alta, pegam fogo e brilham no céu.

— Todo ano, em um período específico, um asteroide passa e deixa meteoroides. Quando a Terra passa pela órbita onde estão os detritos, é mais certo que ela os atraia, por sua gravidade. Depois, a Terra dará uma volta ao redor do Sol e, dali a um ano, encontrará de novo esses detritos. Cada chuva é um conjunto de meteoroides que andam em conjunto no sistema solar — explica Jung.
Ele afirma que, neste fim de semana, seguem as condições para visualizar mais meteoros. A dica é olhar para Oeste, à direita de onde o Sol está se pondo, ainda que o fenômeno possa ser observado em qualquer parte do céu.

Entenda as nomenclaturas:

Meteoroide

Detrito que se desloca no espaço sideral e que pode ser atraído pela gravidade da Terra. Não entrou, ainda, na atmosfera terrestre.

Meteoro

Meteoroide (corpo, no geral, de até 1 cm de diâmetro) que entra na atmosfera da Terra a uma velocidade muito rápida, pega fogo e brilha no céu.

Meteorito

Quando o meteoro atravessa a atmosfera terrestre e não se desintegra no céu, chega ao solo em forma de rocha e passa a ser chamado de meteorito. Há diversos tipos de meteoritos, a depender da composição. Podem ser sideritos, acondritos, condritos, entre outros – os mais desejados pelos "caçadores de meteoritos" são os sideritos, constituídos de ferro e podendo valer milhares de dólares.
 
  DEIXE SEU COMENTÁRIO

“Os comentários abaixo não expressam a opinião do Portal Já é Notícia, que não se responsabiliza pela declaração do leitor.”

Últimas Notícias
©Todos os direitos reservados - 2020
Agência Lúmen