Banner Whats App - Já é Notícia
Sigam-me os CONCURSEIROS!

Sigam-me os CONCURSEIROS!

Sou Anderson Pereira, Graduado em Letras e formando em Direito pela UNEAL, pós-graduando em Direito do trabalho, Processo do trabalho e Previdenciário pela Estácio, oito anos de experiência docente em língua portuguesa, funcionário público federal pelo DNIT, professor de português e proprietário do curso preparatório ESTUDEANTES.

PREDICATIVO DO OBJETO x ADJUNTO ADNOMINAL

Essa dúvida atormenta a cabeça de vários alunos, mas podemos ajudar e tornar mais fácil a resolução desse "quebra-cabeça".

Fazer uma análise sintática de termos ou expressões não é tarefa muito fácil, pois há detalhes que torturam a mente estudantil, entre eles está a diferença entre os elementos do título desse texto.

A palavra PREDICATIVO é sinônimo de “qualidade, “característica”, e dentro do estudo da gramática pura e aplicada temos dois tipos: predicativo do sujeito, quando a qualidade ou característica é dada ao sujeito (que geralmente é substantivo) da oração, e predicativo do objeto, quando o complemento verbal (que, na maioria das vezes, também é substantivo) a recebe.

O problema é que o ADJUNTO ADNOMINAL também pode se referir a um substantivo e confundir o aluno, mas como fazer para diferenciá-los?

Tendo em vista que ambos se referem a um nome, duas dicas são essenciais para descobrirmos “quem é quem”:

1-  Se o sujeito determina a qualidade/característica do nome, é PREDICATIVO; se a qualidade/característica é algo objetivo, próprio do ser e não se submete a juízo de valor, é ADJUNTO ADNOMINAL;

2-  Pra ratificar o resultado encontrado, basta substituir o complemento pelo pronome adequado. Caso a qualidade seja substituída junto ao nome, é ADJUNTO; caso não, é PREDICATIVO.

EX: O professor castigou o aluno culpado.

Nesse caso, o fato do aluno ser culpado não é uma opinião do professor, mas sim uma característica intrínseca, própria do ser. Também, se substituirmos o objeto pelo pronome, a qualidade vai junta (O professor castigou-o).

EX: O professor considerou o aluno culpado.

Já na oração acima, a forma verbal “considerou” indica que a característica foi dada pelo sujeito (professor). Nesse caso, a culpa do aluno advém da opinião do professor (sujeito) porque, para outros, o aluno pode ser inocente. Para confirmar o pensamento, se pusermos o pronome no lugar do objeto, a qualidade continuará expressa (O professor considerou-o culpado).

COMO CAI EM PROVA??

Ano: 2008   Banca: PC-RJ   Órgão: PC-RJ   Prova:  Inspetor de Polícia

“...o Estado pode considerar desnecessária a tradução dos documentos...”

No trecho acima, o termo destacado exerce função sintática de: 

a) Adjunto adnominal.

b) Adjunto adverbial.

c) Complemento nominal.

d) Predicativo do objeto.

e) Predicativo do sujeito.

Na questão em análise, o verbo principal da locução indica que o sujeito (o Estado) é quem indica a falta de necessidade da tradução dos documentos, por isso é predicativo. Caso queira alguma confirmação, introduza o pronome adequado no lugar do complemento (... o Estado pode considerá-la desnecessária).

Desenvolvam o estímulo pelo estudo da gramática, pois em qualquer certame de que vocês participem, a disciplina estará no conteúdo programático, NÃO HÁ COMO ESCAPAR!!!!

Busquem, pratiquem, desenvolvam mapas mentais, mnemônicos, criem novas metas e limites, porque a cada dia que passa a procura pela tão sonhada efetividade aumenta e o nível de qualificação dos concorrentes também.

          Acredite em Deus e em si, trace planos e execute-os. Faça valer sua força de vontade e faça disso parte efetiva de suas atividades diárias.

         
                                                                                                                                              Avante guerreiros!!!

  DEIXE SEU COMENTÁRIO

“Os comentários abaixo não expressam a opinião do Portal Já é Notícia, que não se responsabiliza pela declaração do leitor.”

©Todos os direitos reservados - 2019
Agência Lúmen