Banner Whats App - Já é Notícia
Lohuama Alves

Lohuama Alves

Uma alagoana cheia de virtudes e vicissitudes, comunicadora raíz, amante das letras. Acredita que jornalismo é mais que vocação, é paixão. Desempenha várias funções no jornalismo desde 2014 e está sempre em busca de novos aprendizados. 

Vídeo. Conscientizar é a melhor forma de evitar o bullying, diz psicóloga

“É importante lembrar as estratégias para combater tipos de agressões”, destacou Thiala Melo 

Júnior Silva (Já é Notícia)

No dia 7 de abril foi o Dia Nacional de Combate ao bullying. Desde 2015 está em vigor a Lei 13.185, que institui o programa de combate à intimidação sistemática - o bullying. Em 2018 entrou em vigor a Lei 13.663, que determinou o combate ao bullying em ambientes educacionais.

O bullying é uma situação de agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas com dificuldades em se defender. Os alvos costumam ser jovens e crianças inseguras, com baixa autoestima e retraídas tanto na escola quanto no lar e esse é um tema muito preocupante.

Para as escolas, a melhor forma de evitar o problema é conscientizar todos os envolvidos sobre a gravidade de tal prática e implantar mecanismos para identificar e tratar com celeridade os casos.

A psicóloga Thiala Melo, avalia que o suporte da escola na criação de uma rotina de ação preventiva, capaz de estimular o diálogo e as relações de respeito, é o principal caminho para prevenir este tipo de comportamento. Vamos conferir orientações com ela!

Veja o vídeo:




Lei de prevenção e combate à pratica

A Lei 13.185 que entrou em vigor em fevereiro de 2016, instituiu o Programa de Combate à Intimidação Sistemática em todo o território nacional. O texto estabelece que professores e equipes pedagógicas sejam capacitados para desenvolver ações de prevenção e solução do problema. Além disso, pais e familiares serão orientados para identificar vítimas e agressores. Outro ponto presente no projeto é a realização de campanhas educativas e o fornecimento de assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores.

A lei surgiu quando há oito anos, o bairro de Realengo, no Rio de Janeiro, foi palco para uma tragédia que horrorizou o Brasil. Um jovem entrou armado na Escola Municipal Tasso da Silveira e interrompeu a vida de 12 adolescentes. O desejo do ex-aluno de se transformar em atirador - motivado pelo bullying que sofria - é a prova de que a violência, seja ela física ou psicológica, dilacera o emocional do indivíduo, levando-o a protagonizar cenas de terror.  

Contatos da psicóloga: Instagram: @psicothialamelo ou pelo telefone (082) 99943-5985
 
  DEIXE SEU COMENTÁRIO

“Os comentários abaixo não expressam a opinião do Portal Já é Notícia, que não se responsabiliza pela declaração do leitor.”

©Todos os direitos reservados - 2019
Agência Lúmen