Arapiraca
+22° c
Banner Whats App - Já é Notícia
Esporte

Publicado Quarta-Feira, 11/01/2017 18:20 | Atualizado Quarta-Feira, 11/01/2017 18:24

Por: msn

Após 16 anos, Bernardinho deixa Seleção de vôlei masculina

Ponteiro da Geração de Prata de 1984, Renan Dal Zotto assumiu como novo treinador

Foto por: Reprodução

O fim do ciclo de Bernardinho à frente da Seleção Brasileira masculina foi sacramentado nesta quarta-feira, após uma novela de quase cinco meses. A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) oficializou a saída do técnico e apresentou o novo nome para a função: o ex-jogador Renan Dal Zotto, de 56 anos, que trabalhou nos últimos anos como diretor de Seleções da entidade.
 
- Estou muito orgulhoso por continuar fazendo parte da família do voleibol. Estava como diretor de Seleções, até os Jogos Olímpicos. E tive a oportunidade de vivenciar algo único, que é o dia a dia com José Roberto Guimarães e Bernardo Rezende. Viajamos para Grand Prix, Liga Mundial. Então, hoje me sinto à vontade. Na hora do convite, veio o frio na barriga. Minha esposa perguntou se eu me sentia em condições. E eu disse que sim, porque nunca estive fora do processo. Mesmo que como palpiteiro. Encontrei nas Seleções um ambiente prazeroso para trabalhar - declarou Renan, em coletiva.

O diretor de quadra da CBV, Radamés Lattari, confirmou que Bernardinho seguirá próximo da Seleção Brasileira, como uma espécie de coordenador.

O fim do vínculo foi decisão do carioca, que acumulava o cargo com o comando do Rexona-Sesc, atual tricampeão da Superliga feminina. O desgaste pelo excesso de trabalho vinha pesando, conforme seu filho, o levantador Bruninho, já havia afirmado após o ouro na Rio-2016.

O técnico tinha planos de se manter próximo do time nacional. No caso, seu assistente Rubinho seria o treinador principal. Mas a entidade não aceitou a proposta em um primeiro momento. Desde então, aguardou a palavra final de Bernardinho, que veio nas últimas semanas.

A passagem de Bernardinho no cargo resultou no período mais glorioso da equipe verde e amarela na história. A Seleção faturou dois ouros olímpicos (Atenas-2004 e Rio-2016), duas pratas (Pequim-2008 e Londres-2012), três títulos mundiais (2002, 2006 e 2010), oito taças da Liga Mundial, entre outros.

Antes, com a Seleção feminina, ele já havia conquistado dois bronzes olímpicos, nos Jogos de Atlanta-1996 e Sydney-2000.
 
  DEIXE SEU COMENTÁRIO

“Os comentários abaixo não expressam a opinião do Portal Já é Notícia, que não se responsabiliza pela declaração do leitor.”

Últimas Notícias
©Todos os direitos reservados - 2017
Agência Lúmen